Comuna Teatro da Pesquisa

 

Crise no Parque Eduardo VII

Crise no Parque Eduardo VII

Em cena no Teatro da Comuna
de 26 de outubro a 17 de dezembro de 2017

 

SINOPSE

Destilar a vida
Um velho, porteiro reformado, prestes a ser arrumado no baú das recordações, a contar com mais um dia depois do dia que aí vem: “Somos velhos, não somos ricos e cometemos o pecado de viver devagar”. Outro velho, ex comunista, com a fé suficiente para mudar o mundo e salvar os homens: “as ideias continuam a ser boas e belas, as ideias mantêm-se, são melhores que as pessoas que lhes deram origem”. E desfilam pela cena pedaços da cidade que lhes pertence e a que eles também pertencem: Daniel, o Presidente da Comissão de Condóminos, Clarisse, ex-toxicodependente, perseguida pelo traficante, que não quer o nome em saldo na praça pública, Diogo, o jovem que “crava” três notas para proteger os velhos de si próprio, e Catarina, a filha de João Bernardo que se esqueceu dos seus ideais revolucionários e o quer pôr num lar de terceira idade, para defender o pai da selva da cidade. E, perante este desfile, João, o Dom Quixote do Parque, arrasta Hugo, o seu Sancho Pança, para o teatro em movimento, o teatro dentro do teatro: “a gente serve-se da personalidade que dá mais jeito na ocasião”: espião, advogado, capitão da polícia, chefe da Mafia, deputado jubilado, tubarão da cidade…
Crise no Parque Eduardo VII”, é uma comédia às costas da tragédia e, simultaneamente, uma tragédia vestida de comédia. É o riso cravado no drama do quotidiano. É o sonho encenado no realismo existência, o inconformismo que tropeça nas rasteiras da idade, o humor que rasga, com a sua ternura, as certezas cinzentas do dia-a-dia de quem aparece condenado a esperar que o dia anoiteça.

João Maria André

 

FICHA ARTÍSTICA E TÉCNICA

CRISE NO PARQUE EDUARDO VII
Baseado em I’M NOT RAPPAPORT de Herb Gardner

Tradução – João Paulo Moreira
Adaptação, Versão Cénica e Encenação - João Mota

Interpretação:
Carlos Paulo
– João Bernardo
Igor Sampaio – Hugo Válter
Hugo Franco – Daniel
Maria Ana Filipe – Clarisse
Miguel Sermão –“Black”
Gonçalo Botelho – Diogo
Elsa Galvão - Catarina

Cenografia – João Mota
Pintura do espaço cénico – Renato Godinho
Desenho de Luz – Paulo Graça
Figurinos – Carlos Paulo
Fotografia e Imagem – Bruno Simão
Design Gráfico – R2
Spot Publicitário e Vídeo – Eduardo Breda
Operação de Luz e Som – Rogério Vale
Técnicos de Montagem – Renato Godinho, Assunção Dias, Rogério Vale e Timóteo Cadão
Apoio ao Guarda- Roupa – Assunção Dias

Frente Sala/Bilheteira:
Carolina Silva, Constança Neves, Soraia Ribeiro, Rute Máximo e Diogo Campos (Estagiários da escola Secundária D. Pedro V)
Assistência Geral: Sela Meira e Mariana Antão
Gabinete de Produção: Rosário Silva e Carlos Bernardo
Agradecimentos: Fundação Centro Cultural de Belém, Divisão de Iluminação Pública da Câmara Municipal de Lisboa, Junta de Freguesia de Campolide e Junta de Freguesia de Alcântara.

 

Reservas: teatrocomuna@sapo.pt e 217 221 770

  « Em Cena