Comuna Teatro da Pesquisa

 

Crise no Parque Eduardo VII

Crise no Parque Eduardo VII

Em cena no Teatro da Comuna
de 26 de outubro a 17 de dezembro de 2017

Crise no Parque Eduardo VII

Crise no Parque Eduardo VII

Crise no Parque Eduardo VII

Crise no Parque Eduardo VII

Crise no Parque Eduardo VII

Crise no Parque Eduardo VII

Crise no Parque Eduardo VII

Crise no Parque Eduardo VII

Crise no Parque Eduardo VII

Crise no Parque Eduardo VII

Crise no Parque Eduardo VII

Crise no Parque Eduardo VII

Crise no Parque Eduardo VII

Crise no Parque Eduardo VII

Crise no Parque Eduardo VII

 

SINOPSE

Destilar a vida
Um velho, porteiro reformado, prestes a ser arrumado no baú das recordações, a contar com mais um dia depois do dia que aí vem: “Somos velhos, não somos ricos e cometemos o pecado de viver devagar”. Outro velho, ex comunista, com a fé suficiente para mudar o mundo e salvar os homens: “as ideias continuam a ser boas e belas, as ideias mantêm-se, são melhores que as pessoas que lhes deram origem”. E desfilam pela cena pedaços da cidade que lhes pertence e a que eles também pertencem: Daniel, o Presidente da Comissão de Condóminos, Clarisse, ex-toxicodependente, perseguida pelo traficante, que não quer o nome em saldo na praça pública, Diogo, o jovem que “crava” três notas para proteger os velhos de si próprio, e Catarina, a filha de João Bernardo que se esqueceu dos seus ideais revolucionários e o quer pôr num lar de terceira idade, para defender o pai da selva da cidade. E, perante este desfile, João, o Dom Quixote do Parque, arrasta Hugo, o seu Sancho Pança, para o teatro em movimento, o teatro dentro do teatro: “a gente serve-se da personalidade que dá mais jeito na ocasião”: espião, advogado, capitão da polícia, chefe da Mafia, deputado jubilado, tubarão da cidade…
Crise no Parque Eduardo VII”, é uma comédia às costas da tragédia e, simultaneamente, uma tragédia vestida de comédia. É o riso cravado no drama do quotidiano. É o sonho encenado no realismo existência, o inconformismo que tropeça nas rasteiras da idade, o humor que rasga, com a sua ternura, as certezas cinzentas do dia-a-dia de quem aparece condenado a esperar que o dia anoiteça.

João Maria André

 

FICHA ARTÍSTICA E TÉCNICA

CRISE NO PARQUE EDUARDO VII

Tradução – João Paulo Moreira
Adaptação, Versão Cénica e Encenação - João Mota

Interpretação:
Carlos Paulo
– João Bernardo
Igor Sampaio – Hugo Válter
Hugo Franco – Daniel
Maria Ana Filipe – Clarisse
Miguel Sermão –“Black”
Gonçalo Botelho – Diogo
Elsa Galvão - Catarina

Cenografia – João Mota
Pintura do espaço cénico – Renato Godinho
Desenho de Luz – Paulo Graça
Figurinos – Carlos Paulo
Fotografia e Imagem – Bruno Simão
Design Gráfico – R2
Spot Publicitário e Vídeo – Eduardo Breda
Operação de Luz e Som – Rogério Vale
Técnicos de Montagem – Renato Godinho, Assunção Dias, Rogério Vale e Timóteo Cadão
Apoio ao Guarda- Roupa – Assunção Dias

Frente Sala/Bilheteira:
Carolina Silva, Constança Neves, Soraia Ribeiro, Rute Máximo e Diogo Campos (Estagiários da escola Secundária D. Pedro V)
Assistência Geral: Sela Meira e Mariana Antão
Gabinete de Produção: Rosário Silva e Carlos Bernardo
Agradecimentos: Fundação Centro Cultural de Belém, Divisão de Iluminação Pública da Câmara Municipal de Lisboa, Junta de Freguesia de Campolide e Junta de Freguesia de Alcântara.

 

Reservas: teatrocomuna@sapo.pt e 217 221 770

  « Em Cena